quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O som das palavras...



E um por do sol em Paris...
Crédito para a foto de Aixa. Obrigada!

Então comecei a ler o livro: Os cadernos de Malte Lurids Brigge - Rainer Maria Rilke.
Na página 17 ele escreve:
"Hoje tivemos uma bela manhã outonal. Caminhei pelas Tulherias. Tudo que estava a leste, diante do sol, ofuscava. O que era tocado pela luz se achava coberto pela neblina como se fosse uma corina cinza-clara. Cinzentas contra o fundo cinza, as estátuas tomavam sol nos jardins ainda não desvelados. Flores isoladas nos longos canteiros se levantavam e diziam com uma voz assustada: vermelho. Então um homem muito alto e esbelto dobrou a esquina, vindo dos Champs-Elysées; tinha uma muleta, mas não a usava mais sob o braço - segurava-a diante de si, leve, e de vez em quando a batia no chão firme e sonoramente como um caduceu. Ele nãp pode conter um sorriso de alegria e sorriu para todos os que passavam, para o sol, para as árvores. Seu passo era timido como o de uma criança, mas singularmente leve, cheio de lembranças de caminhadas de outrora."

Com o som das palavras de Rilke, o texto só pode ser para o post anterior, mas ainda não tinha comprado o livro e nem lido o ensaio: "Em defesa do romance." Escrito por Mario Vargas Llhosa, na revista Piauí 37_ Outubro 09. Quer recomendação melhor?...

Beijos.
Anny(@Annyllinha)

12 comentários:

  1. Anny,meu falecido tio Cabral ia todos os anos para Paris.Eele dizia que era linda na primavera. mas vejo que no outono também.adorei o texto!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. O interesse do europeu pelas estações sempre me pareceu exótico. Nós temos a alegria perene do sol. Quase não sentimos quando ele se esconde, tão exibido que é o ano todo. Porém, por lá a coisa é diferente e desperta nas pessoas uma saudade, que por aqui encontra outro tema para o mesmo sentimento.
    Posso dizer que este sentimento é algo de belo que resta no humano.
    O mundo parece que se torna pouco a pouco mais triste. Não sei avaliar, é apenas uma impressão vista através da cortina cinza. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Leslie:
    Fico olhando estas fotos dá para sonhar com elas. Saão muito lindas. Sinal que a realidade pode sim, ser encantadora.
    Obrigada pela visita.
    Beijos.
    Anny.

    ResponderExcluir
  4. Djabal:
    Você já leu este livro do Rilke? É um livro autobiográfico. Triste, mas as palavras dele são alguma coisa assim que eu diria eletrizante. Você não quer parar de ler. Está recomendado...
    Obrigada pelo comentário.
    Beijos.
    Anny.

    ResponderExcluir
  5. Já tinha deixado comentário aqui, mas a publicação pelo celular falhou.
    Anny deve ser uma cidade linda, papai morou lá quando saiu da faculdade.
    Bom fim de semana e um ótimo feriado
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Milton:
    Ainda não conheço Paris, mas quem sabe um dia?
    Obrigada pelo comentário.
    Beijos.
    Anny.

    ResponderExcluir
  7. Eu descobri Rainer Maria Rilke em uma citação, bem no começo do livro "A escolha de Sofia" de William Styron e acho que o livro que lê agora é tradução de Lya Luft antes da fama. Veja aí.
    Sabemos que quando alguém tem pouco tempo de vida, dá mais valor à vida. É da natureza humana dar valor aquilo que não possui e aos nossos sentimentos, ficamos mais acessíveis.

    “...estou aprendendo a ver. Não sei o que provoca isso, tudo penetra mais fundo em mim, e não pára no lugar onde costumava terminar antes. Talvez um interior que ignorava. Agora, tudo vai dar aí. E não sei o que aí acontece.”

    Talvez o outono de Paris seja mais bonito de se ver do que de sentir, para nós. E assim como para eles o nosso verão é lindo de ver mas ao sentir na pele, de um grande sofrimento. E depois que acostumamos a olhar o belo, não enxergamos mais a sua beleza. Beijus,

    ResponderExcluir
  8. Luma:
    Que bom poder dividir um pouco do que estou lendo...
    O livro que estou lendo não é trdução de Lya Luft e sim de Renato Zwick e uma das partes que me impressinou muito está na pág 09 segundo capítulo:
    "Será que eu já disse? Aprendo a ver. Sim, estou começando. Ainda é difícil. Mas quero aproveitar o meu tempo.
    Eu nunca tinha percebido, por exemplo, que xistiam tantos rostos. Há um número imenso de pessoas, mas o número de rostos é muito maior, pos cada uma delas possui vários."
    Isto me impressionou tanto, que saí para pagar uma conta e fazer supermecado. Fiquei observando os rostos das pessoas nas filas...e me deu o que pensar por muitos dias.
    Pois é, ler é experimentar as emoções de quem escreveu e conseguir olhar pela sua janela.
    Também pode ser o que você descreveu com propriedade. "Depois que acostumamos a olhar o belo, não o exergamos mais."

    Penso que é uma honra para mim te-la como comentarista. Pois divide o que tem de mais precioso:
    Seu conhecimento e suas considerações inteligentes sobre os livros lidos.
    Beijos.
    Seja sempre bem vinda.
    Anny.

    ResponderExcluir
  9. Recepitivo Mineiro:
    Que bom. Minas e mineiros são especiais em qualquer lugar, não é mesmo?
    Obrigada pela visita.
    Atémais.
    Anny.

    ResponderExcluir
  10. Oi Anny
    Vim te convidar para participar de uma promoção no meu blog...passa lá!
    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Anny, nunca li nada do autor.

    Tudo bem contigo?

    Um beijo

    ResponderExcluir

Seu comentário é uma forma de conversa online.
Deixe sua opnião ou questione.
Não seja anônimo!
Obrigada.
Bem vindo!

YouTube

Loading...